Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

29Mar/100

Big f***ing fail do Firefox

Sempre tive "A" capacidade para afundar sistemas. Nada maldoso - estou mais para aquele cara de "Loucademia de Polícia" que vai derrubando tudo pelo caminho. Já achei bugs que afundaram sistemas em todas as fases possíveis: desde o negócio, passando por requisitos, análise, programação, testes, implantação, e, claro, pós-produção. Nada mais legal que ver o sistema afundando feito cocô na privada bem no instante após entregar para o cliente!

Dessa vez, minha vítima foi o Firefox. Sempre fiquei intrigado em saber como ainda tem criaturas míticas que conseguem achar bugs nesse sujeito. E, claro, com minha habilidade sobre-humana, eu entrei para esse hall da liga.

O meu bug, com número 555504, é simples, porém, elegante. Se você digita algum termo que não é nem URL nem um domínio válido na barra de endereços do FF, este executa uma pesquisa "I feel lucky" no Google, que, por sua vez, traz o primeiro resultado automaticamente. Até a aí, mil maravilhas.

Outro recurso curioso é: se um site for cadastrado como malicioso, o navegador normalmente abre uma tela vermelho-sangue informando que esse site é do mal, etc e tal.

Perfeito! Coisa de navegador seguro. Ou não? Experimente arrumar uma combinação de termos de pesquisa "lucky" que envie para um site malicioso. Resultado? Tela vermelha? Não! O FF abre direto! Passe livre para os bastidores! Yikes!

Até agora, o bug ainda está como "não confirmado", mas creio que vai dar trabalho testar isso - afinal, não é fácil arrumar uma combinação tão curiosa de parâmetros.

Mais nerd que achar falha de segurança no Firefox não conheço!

23Nov/090

Primeiras impressões sobre o Google Chrome

Como "minhas" máquinas, tanto em casa quanto no trabalho, tem apenas um mísero gigabyte de memória (lembro-me da época em que isso era muito), preciso improvisar direto. O Firefox, por melhor que seja, é pesado demais para manter 24/7 junto com o NetBeans, Jetty/Tomcat, JOGL e etcs.

Decidi, então, experimentar o anoréxico Google Chrome. Aparenta ser leve, mesmo. O startup é rápido e o footprint é obviamente proporcional ao número de abas. Basta abrir o gerenciador de tarefas para notar que tem um processo por aba. Se tiver um IPC bom, isso torna válida a regra "quanto-menos-abas-melhor" que os leigos tanto conhecem e que o Firefox joga no lixo com o histórico de abas.

O que leva a perguntar: já que a aba tem um processo próprio, o que acontece se ele morrer de causas não-naturais? Tasquei um SIGKILL (ou similar, no Windows) e tudo aparentou estar normal. Normal até demais: a aba ainda estava lá! Mas, para minha surpresa, eis o conteúdo dela:

Erro no Google Chrome

Fora a comédia que é essa tela, fiquei admirado, pois é uma arquitetura bem mais robusta que o "Isto é embaraçoso" do Firefox. Presumo que fica mais difícil o navegador inteiro cair.

Mas, para mim, ainda continua sendo mais um produto Beta do Google. Espantosamente, não consegui publicar este post no Chrome - todas as quebras de linha sumiram! Vai servir para economizar um pouco de memória, mas ainda vai demorar muito para substituir o Firefox.

PS: Por quê chamei o Chrome de anorexico? Veja a imagem a seguir...

Mulheres x Browsers

5Mar/091

O Google assusta…

Quem é nerd sabe a importância geek do número 42. "A resposta definitiva" é um fato tão conhecido que até o Google sabe... Experimente procurar por "answer to life, the universe and everything" (um link para os preguiçosos). Detalhe que não estamos falando do resultado da busca.

Muito esperto, o Google "calcula" usando sua calculadora. Seria a calculadora do Google desenvolvida pelos ratos? Ou os programadores do BigBro acham que são os mais inteligentes da terra?

22Out/080

Meu próximo celular: o celular do Google

Acesso a internet, e-mail, IM, suporte a 3G, touchscreen, câmera digital, etc, etc. Parece mais um yet-another-celular (redundantemente falando), mas tem quatro coisas que eu adorei:

  1. É do Google. Competindo com os chineses pelo domínio global, o celular "deles" tem acesso rápido a toda tralha Google: busca, Orkut, GTalk, YouTube, etc. Além do logotipo deles na parte de trás do celular.
  2. Interativo. A tela touchscreen "vira" quando você abre o teclado. Assim, você tem sua tela "vertical" quando o celular está fechado e "horizontal" quando está com o teclado a mostra. Terrivelmente prático.
  3. Personalizável. Alterar o fundo de tela é o mínimo. Dá para organizar sua área de trabalho no melhor estilo Windows: somente clicando e arrastando (espero que não tenha os mesmos bugs).
  4. Acesso Wi-Fi. De que adiantaria baixar um monte de vídeos do YouTube se, depois, você precisa pagar uma furtuna de acesso a dados? Já fico imaginando-me em um Shopping, esperando o almoço que nunca sai, enquanto vejo as últimas notícias nerds ou alguma doideira no YouTube.

Sou muito chato com relação a celulares. Acho todos parecidos demais, com pouca inovação e muito disperdício de recursos. Mas esse, admito, me conquistou. Espero que seja tão bom quanto a propaganda...