Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

25Nov/080

Max Payne (ou seria "Max Pain"?)

Quem jogou Max Payne deve ter passado meses esperando pelo filme. Eu ficava imaginando como fariam os melhores elementos do jogo, como as cut-scenes em quadrinhos ou o tão clássico "Bullet Time".

Infelizmente,  do jogo só sobrou o nome do personagem principal e o fato que a família dele morreu. Com míseras três cenas de tiroteio, sem nenhum sangue voando, o mais próximo do "bullet time" foi uma cena Matrix-like, na qual Max contorce-se para trás, atirando com uma .12, enquanto o bandido, com um RIFLE DE ASSALTO COM MIRA consegue errar todos os três ou quatro tiros - e erra feio: cada tiro passa a quilômetros de distância.

Nem preciso mencionar a quantidade absurda de clichês que tem nesse filme: tirando a parte do policial que perdeu a família, temos uma droga super-moderna patrocinada por uma empresa multimilionária que desenvolve coisas para o governo e um desses experimentos sai muito errado, gerando um supersoldado que pira na batatinha. Adicione algumas alucinações com anjos e demônios, policial que precisa provar a própria inocência, assassinatos misteriosos e pronto! Temos um filme tão ruim que, não só é um bizarro empréstimo da marca "Max Payne" (nem pode ser considerada "adaptação"), como também é um filme bizarro por si só...

Recomendo assistir somente se for de graça, pois é um absurdo desperdício de dinheiro. Até minha esposa, que não é nerd e nunca jogou Max Payne, achou o filme horrível.