Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

21Mar/100

Fedora 12 em um Acer Aspire One

Meses atrás fui meio "obrigado" a trocar de notebook (o anterior estava, literalmente, com alguns parafusos soltos), comprei um netbook Acer Aspire One, daqueles com disco flash, ao invés de HD. O linpus que veio com ele era muito bom - rapido, intuitivo.

Embora seja baseado no Fedora e eu consiga usar o yum para instalar alguns softwares básicos, esbarrei na hora de instalar o gcc (quem sou eu sem um compilador C decente?)

Decidi, então, tirar um backup do sistema original para instalar um Fedora 12. A instalação pelo liveusb foi tranqüila e, ouso dizer, rápida. Na wiki do Fedora, tem um artigo sobre instalação e otimização em um Acer Aspire.

As dicas funcionam bem, mas algumas coisas ficam diferentes, comparadas com o Linpus:

  • SELinux e IPV6 são cruéis quanto a performance. Desativar os dois aumenta muito a velocidade do sistema;
  • A luz de wireless só fica acesa quando existe tráfego (que nem a luz de uma placa de rede de um Desktop);
  • O botão de ligar/desligar o wifi funciona, por isso, recomendo configurar a conexão com o NetworkManager e ligar a ativação automática. Deste jeito, a conexão fica parecida com a do Linpus, exceto pelo ícone que não aparece na tela ao apertar o botão;
  • A configuração do GRUB original tem dois parâmetros a mais (loglevel=1 nolapic_timer), mas a configuração mais importante é sched=0, para desligar o escalonamento de disco (já que não existe delay mecânico em discos flash);
  • Pulseaudio não funciona nem amarrado. Infelizmente, precisa desativá-lo para voltar ao ALSA. Descobri que qualquer atraso no CPU torna o audio do PA um monte de ruído. Ou seja, tocar MP3 funciona, mas vídeos (principalmente Flash), não;
  • Gnome é muito legal, mas é pesado, com muitas tarefas em background. Mesmo com dois cores, o sistema fica intermitente e sempre com o ventilador do CPU ligado, até quando ocioso. Mudando para o XFCE reduz o consumo (a ventoinha nem liga mais) e mantém os recursos gráficos;
  • Para a alegria da Apple, Flash parece coisa do capeta. Qualquer acesso ao YouTube fica impraticável com vídeos maiores, pois um core fica ocupado com o navegador e outro, com o Flash (cada um, a impressionantes 40%, mesmo em pausa). É mais fácil usar o NetVideoHunter para baixar e ver o FLV offline;
  • Ainda não consegui configurar os indicativos visuais de aúdio no XFCE, mas nem faz tanta falta assim ver um ícone bonito toda vez que mudar o volume.

No geral, o netbook, embora aparentemente limitado, quando comparado a um notebook (ou a um desktop), funciona tão bem quanto e até melhor. Com três horas de bateria (que caem para duas e meia com Wifi, som e vídeos), mais uma rede sem fio incrivelmente rápida (atingindo fácil 1 megabyte), consigo fazer de tudo - até programar com o NetBeans.

Tirando o fato de que uma ou outra aplicação não foi testada em resoluções de 600 linhas, estou gostando mais do netbook. Posso trabalhar no sofá, assistindo "Star Trek: Deep Space 9", colocar o sistema em Stand By para pegar algum petisco, e até usá-lo em "certos cômodos", para não perder a linha de raciocínio.

23Dez/090

Limpando os locales do Fedora

Se você tem problemas de espaço em máquinas Fedora (ou paga por GB usado), vai gostar de saber que é possível eliminar algumas centenas de megabytes de lixo.

O truque? Remover o suporte a todas as línguas desnecessárias que o linux suporta (500 mais ou menos). Eu, por exemplo, só utilizo o desktop em Português e, preferencialmente, em Inglês. Por que, então, preciso jogar 400mb fora com suporte a Português de Portugal, Inglês Australiano (yikes!), Francês, Italiano, Alemão, Árabe, Chines e variantes, incríveis DEZESSETE variantes do Espanhol, e eteceteras?

O truque é simples: vá na pasta /usr/share/locale e detone praticamente tudo. Uma dica é renomeá-la para "_locale", mover só o que precisa para uma nova pasta "locale" e, após algum tempo de teste, apagar a pasta "_locale".

Para uma limpeza mais pesada, remova também os arquivos de ajuda do GNOME (para o KDE, talvez tenha algo similar - fico devendo essa):

cd /usr/share/gnome/help
find * -mindepth 1 -maxdepth 1 -type d \
  -not \( -name "en*" -or -name pt -or \
          -name pt_BR -or -name C \) \
  -exec rm -rf '{}' ';'

Até aqui, dois problemas: ao atualizar ou reinstalar, tudo volta; e, ao usar o "rpm -V", um monte de erros de "missing file" irão ocorrer. A solução achei perdida na web. Vá na pasta /etc/rpm e crie um arquivo "macros.lang" com a seguinte linha: "%_install_langs en:en_US:pt:pt_BR".

Pronto! Nada mais de warnings nem de espaço jogado fora (pelo menos, com locales)!

Essa dica eu testei no Fedora 11, mas deve funcionar em qualquer distro baseada em pacotes RPM (RedHat, CentOS, etc).