Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

15Jul/110

Como comparar poupança com fundos

Brasil é um país complicado para investir com mínimo grau de risco. Poupança rende um mínimo necessário, fundos de investimento são penalizados por uma taxa de imposto absurda e tentar os títulos do tesouro requer uma enorme burocracia. Pesquisando um pouco a fundo sobre os fundos, achei uns números interessantes.

Comecemos com os fatos. Fundos de investimento indexados (ou seja, aqueles atrelados ao CDI ou similar) enquadram-se em três categorias de tributação: renda fixa, curto e longo prazo. No sítio IGF tem uma lista bem detalhada. Para os cálculos, consideremos a poupança como 0,61 (índice de junho de 2011).

Renda fixa é o mais simples, pois é tributado somente no resgate. 22.5% se mantiver o dinheiro por menos de 180 dias, variando até 15% se mantiver por 720 dias. Um investimento de 6 meses, para ser melhor que a poupança, precisa render, pelo menos, 0,78% (ou seja, precisa ser 28,5%  maior). Se mantiver pelos 720 dias, o rendimento precisa ser de 0,71%, ou seja, apenas 15,7% maior.

Curto e longo prazo tem tributação semestral (ou seja, o imposto é retido sobre os lucros duas vezes por ano). O percentual é fixo, e o valor de resgate é proporcional ao período investido.

Curto prazo tributa em 20% semestralmente, subindo para 22.5% se resgatar antes de 180 dias. Para vencer a poupança, o rendimento precisa ser de 0,76 (24,5% maior). Antes dos 180 dias, o valor sobe para 0,78 (28,5% maior).

Longo prazo tributa em 15% semestralmente, ou 22.5% para resgates antes dos 180 dias diminuindo em escalas até os 15% depois de 720 dias. Significa rendimento de 0,72 (17,3% maior).

Ou seja, investindo por 180 dias, com poupança a 0,61, um fundo qualquer precisa de 0,78 (todos tributam a 22,5% nesse período). Investindo por 360, o número muda para 0,76 (mais uma vez, todos tributam a 20% nesse período). A partir de 360 dias, as diferenças surgem. CP precisa de 0,76, enquanto LP e RF precisam de 0,73. E, com 720 dias, CP vai a 0,74 e LP a 0,72 e RF a 0,71.

Percentualmente, RF tem a maior vantagem, embora LP tenha um rendimento bem próximo. CP tem um desempenho bem pior, comparado com todos os outros. No final, o que pode contar na escolha é o grau de risco, taxas pré e pós fixadas, entre outros. Mas o principal é poder considerar que, para um investimento de 2 anos e poupança a 0,61, fundos curto-prazo precisam render 0,76, longo prazo 0,72 e renda fixa 0,71. Se estiver abaixo, a poupança ganha.

Note também que, por tratar-se de juros compostos (com principal variante no caso de CP e LP), o tempo de investimento irá mudar essas variáveis. Quanto maior o tempo de investimento, mais próximos da poupança esses números ficam (embora precise de muitos anos para ficar realmente próximo).