Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

23Out/110

Two and a Half Man – Nona Temporada

Na minha opinião, a temporada final. Assisti pela Apple Store e, como imaginei, é uma droga. Começa com o funeral do Charlie. As "ex" dele estavam lá e as piadas foram legais. Entretanto, sem continuidade nenhuma - como se fosse uma série nova: Chelsea (Jennifer Bini Taylor) e Courtney (Jenny McCarthy) disseram que Charlie passou DST para elas - algo que nunca foi dito antes por nenhuma das duas, mesmo sendo personagens regulares. A Courtney até saiu da oitava sem ódio algum - como então ela iria querer "cuspir no túmulo" dele?

Pela história, ele morreu em Paris, num acidente de trem. "Explodiu como um bolo de carne", segundo a Rose (Melanie Lynskey). Claramente Chuck Lorre declarando que não tem interesse em trazer o Charlie Sheen de volta. Apesar do óbvio clima de rancor, deu para rir até aparecer o seu "substituto". Na cena da venda da casa, nota-se que as risadas ao fundo e as ovações tentam forçar o público a se entrosar, mesmo quando os atores convidados são pouco conhecidos ou quando as piadas só tem graça para os que odeiam o Charlie Sheen.

A aparição de Ashton Kutcher foi forçada ao extremo. Ele fica nu duas vezes no mesmo episódio. Tentativa desesperada de agradar ao público feminino - afinal, nem as mulheres aparecem nuas nesse seriado! E olha que se 1% delas tivessem aparecido nuas do jeito que o Ashton apareceu, o seriado seria barrado em muitos países!

Ainda sobre o substituto, a atuação foi patética. Ele faz um papel de bilionário com o coração partido e suicida (que se cura miraculosamente e já pega duas mulheres de uma só vez logo no primeiro episódio). Basicamente, uma mistura do personagem chorão do Jon Cryer com a falta de inteligência do Jake (Angus T. Jones) mais o dinheiro e boa pinta do Sheen.

Podem falar o que for, mas essa mistura só dava certo com a "fórmula original". Só a atuação do Sheen ou as idéias do Lorre não levam esse seriado para frente. Agora, com certeza, vai cair na mediocridade.