Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

31Jul/117

Esfiha em 28 minutos? Esquece!

Nunca fui com a cara da Dilmarionete desde a época da candidatura. Agora, tenho mais um motivo para votar "totalmente insatisfeito" se alguma pesquisa me perguntar o que acho da presidência atual. Quem não adora a promoção dos "28 minutos" do Habib's? Eu, particularmente, sempre usei essa promoção como "salvaguarda" quando estava com fome, sem nada em casa, e queria pedir algo com mínimo de risco de atraso. Agora já era!

Em 6 de julho de 2011, nossa "digníssima" simplesmente aprovou a lei 12436/2011, que, explicitamente, proíbe qualquer forma de recompensa para manter prazos de motoboys. Ou seja, não temos mais nenhuma garantia de entrega agora! Pura e simplesmente! Se o motoboy quiser levar uns 50 minutos para atravessar o quarteirão, ele pode! Se a empresa de entregas que você contratou quiser fazer só uma entrega por dia, ela pode!

Sinceramente, é assim que acham que vão diminuir o índice de acidentes com motos? Que tal fazer as leis atuais serem cumpridas? Limite de velocidade, sinalização semafórica, etc?

Como sempre, quem perde? Os consumidores otários que pagam uma fortuna de impostos que nem eu! Agora, nem direito a um "fast-food" realmente "fast" vamos ter!

Comentários (7) Trackbacks (1)
  1. Edu, foi um tiro no pé! Primeiro, porque proibiu a recompensa, mas não proibiu a punição (FAIL!) Depois, motoboy ruim, demite-se. Logo, a promoção pode não existir, mas a pressão continua existindo (FAIL^2!!)

    Por outro lado, o que motoboy precisar desrespeitar para trabalhar, ele vai desrespeitar. O que impede alguém de violar uma lei é a certeza da punição. Ou seja, a lei é inócua e prejudica os motoboys (FAIL! FAIL! FAIL!).

    Finalmente, o governo de petistas sempre busca legislar em coisas mínimas, querendo controlar todo mundo. Existe uma coisa pior, que o Lula fez: ele proibiu a mais-valia para empresas de roupas. Agora, a indústria nacional não pode mais cobrar por peça, mas por quilo de pano usado em roupa. Assim, o o valor agregado ao tecido que virou roupa ficou limitado. Com isso, as empresas não conseguem mais lucros que desejam, encerra-se a livre concorrência e os chineses estão felizes da vida, porque a nossa indústria não vai dar conta da nossa demanda (nunca mais.) MEGA FAIL!!! :-)

    • Perfeito esse comentário! Não conhecia esse esquema da roupa, mas ajuda a explicar por que toda empresa que “ainda” lucra no setor têxtil fabrica as peças na China e apenas etiqueta no Brasil…

  2. Estou aqui há mais de 30 minutos esperando pela esfiha do habibs….
    Me respondam, se sou só eu que tenho este pensamento: Alguma possibilidade de esta lei ter sido mandada pra aprovação por parte de algum deputado com ligação com algum concorrente do habibs??? Na minha visão, totalmente.

  3. Olá, senhores. Em vista das barbaridades que li neste blog, decidi manifestar a minha indignação com suas opiniões. A começar pelo dono deste blog que cita muito acertademente o número da lei em questão (12436), porém acerta apenas no número da lei, seus comentários infelizes beiram o absurdo, embora eu prefira ceder-lhe o benefício da dúvida, esperando que você seja apenas alienado e não desumano. Não estou escrevendo intuito de agredir a ninguém, portanto, vou esclarecer o meu ponto de vista, na esperança de que os senhores ponha a mão na consciência e mudem de opinião, já que apenas os idiotas são incapazes de mudar.

    Senhores, sou um ex-prestador de serviços da rede Habib’s, tive que desistir de prestar os meus serviços e demiti meus funcionários que eram todos registrados e tinha seus direitos garantidos como manda a lei e o sindicato da categoria (Sindimoto-SP). Desisti em função da pressão dos “14 MINUTOS”. Sim, senhores, 14 minutos!!! A cozinha do Habib’s tem até 14 minutos para liberar o pedido, e em tese, o motoboy tem outros 14 minutos para finalizar a entrega, totalizando os seus queridos (famigerados) 28 minutos. Já seria um tempo muito curto já que infelizmente nem todos os trajetos são de 1 quarteirão, some-se a isso, o fato de que NENHUMA das cozinhas do Habib’s cumpre esse tempo de 14 minutos para preparar os pedidos, em dias e horários de pico, o que acaba por acontecer é uma pressão absurda sobre os motoboys e suas empresas para que estes tirem “no cabo do acelerador” a diferença de tempo restante. Mas de que forma é feita esta pressão? Por duas frentes principais; Primeiro pelo índice de reclamações quinzenal e segundo, pela pressão direta da gerência e administração das lojas.

    Índice quinzenal de reclamações: Existe um ranking que engloba todas as lojas da rede Habib’s (franquias e lojas próprias), o posicionamento é determinado pelo percentual de reclamações x número de pedidos no período, portanto quanto maior o seu percentual, mais acima no ranking, e pior a situação da loja. O limite de reclamações no Habib’s é de 1,1% do total de pedidos atendidos na quinzena e no mês, o que significa obviamente que é um limite de uma reclamação para cada 100 clientes atendidos. Se a loja tiver por exemplo, 1,2% de reclamações passa a ser apontada pela rede como loja ruim, e são tomadas diversas medidas punitórias.

    Pressão Total: No fechamento da quinzena o índice é impresso pelo gerente geral de cada loja e apresentado à empresa prestadora e a seus funcionários, nele são apontados os detalhes de todas as reclamações do período, e em média 70% são de pedidos entregues acima de 28 minutos, destas reclamações, 90% são de pedidos que foram entregues em até 35 minutos. e 10% acima desta marca. Não tenho um número exato do percentual de clientes que alegam tempo de entrega acima de 28 minutos, que não tenha ocorrido de fato mas posso dizer que trata-se de quase metade dos casos. Ou seja, vigarista esfomeado liga no Delivery e cronometra o tempo de entrega, independentemente de chegar em 26 minutos ou 30 minutos, ele, ou demora muito pra descer (caso de prédios) ou se faz de surdo para campainhas, telefonemas, buzinas e afins, para vir vitorioso exigindo a tal “cortesia”, tipo de aso no qual sempre é dada a razão ao cliente, até porque 40% deles, ligam cerca de uma hora depois de o pedido ter sido entregue, ou até no dia seguinte para reclamar de suposto atraso. E há inumeros casos de clientes que ligam alegando coisas do tipo; “já tem mais de UMA hora que fiz o pedido e nada”, e no cronometro da tela do atendente registra por exemplo 20 minutos…

    Agora vem o melhor da história, se uma loja persiste num percentual alto de reclamações, o contrato com a empresa de motoboys é rescindido (quando há contrato, o que é raro), embora diga-se que com a lei 12436, foi proibida a determinação de tempo para serviços executados sobre motocicletas, todo o sistema do Habib’s permanece inalterado, eles se aproveitam da memória dos clientes que cansaram de ver essa maldita propaganda, e mantém veladamente a cobrança pelo tempo de 28 minutos no tempo de entrega, apenas não podem divulgar, pois se tem uma coisa da qual eles não gostam, é de pagar multas, ou ter qualquer gasto, mesmo com direitos trabalhistas, ao que aproveito o ensejo pra lhes dizer também que mais de 90% dos funcionarios Habib’s não são registrados, nem em franquias ou lojas próprias. A grande maioria dos funcionários é compreendida por pessoas com pouco ou nenhum estudo, em situação de pobreza extrema, dependendo desse trabalho para não ficar desabrigado(a). Ficam sistematicamente presos, já que com as jornadas extenuantes, não lhes sobra tempo para buscar aperfeiçoamento nos estudos, ou sequer procurar um emprego menos pior. Reparem que a grande maioria dos funcionários de qualquer Habib’s é formada por corajosos, esforçados, aguerridos e explorados retirantes nordestinos, pois até as pessoas sem estudo, de São Paulo ou de outras partes do país, não raro, se recusam a trabalhar nas condições humilhantes desta rede. Há muitas lojas em que os funcionários almoçam e jantam semanas a fio, ovo com arroz puro!

    Voltando ao assunto dos 28 minutos, gostaria de deixar bem claro também que a sua comidinha grátis é paga pela EMPRESA DE MOTOBOYS, e quase que sempre é descontada do salário achatado e inexpressívo do motoboy. Eu, por nunca ter descontado nenhum pedido que paguei, dos meus funcionários e por pagar o melhor que foi possível diante dos valores ridículos repassados pela loja à minha empresa, quebrei e tive de desistir, pois em um ano e meio de serviços prestados acumulei um prejuízo de R$25.000,00 e isso porque não fiquei devendo nenhum centavo a nenhum funcionário, e por isso nenhum deles precisou me cobrar na justiça e são todos amigos meus e vão aos meus churrascos, sem demagogia. Ah! Mas o Habibs declara que não desconta pedidos das empresas ou de sesu funcionários, é, declara sim (tsc). As lojas, franqueadas ou próprias tem metas de faturamento, se não tiver média x de faturamento cabeças rolam, então, daí o motivo de eles não darem catchup aos clientes, e economizarem nas coisas mais absurdas, imaginem se eles absorveriam os prejuízos dessas cortesias?

    Quanto a quem usa o risco de vida alheio como salvaguarda, eu só poderia aconselhar que mantenha comida de reserva na sua casa, pois provavelmente tens geladeira, congelador, armário, fogão, microondas… amigo, não estou falando isto pra lhe ofender, na verdade você com seu blog público incita a discussão dos assuntos que propõe. Gostaria na verdade de aprender com você sobre seus pontos de vista, e de seus leitores, e quem poder agregar-lhes também algo de positivo.

    se vocês quiserem, eu posso esclarecer melhor essas situações do modus operandi da rede Habib’s, por mais que eu tenha me alongado aqui, acreditem, resumi o máximo que pude. Eu termino esse texto sem indignação nenhuma para com você amigo bloqueiro, enquanto discorria, lembrei-me de que por muitas vezes eu tive opiniões e comportamentos egoístas, mas que eu sempre fui digno de me retratar e evoluir desde que me vissem como digno de confiança e argumentassem e me cedessem informações sábias e pontos de vista divergentes dos meus. Acredito que até então você não tivesse ciência da extensão e complexidade desse tema, mas espero de coração que tenha te ajudado a entender melhor, e que você possa olhar de uma forma mais generosa para essas pessoas que se arriscam no trânsito faça chuva ou faça sol, para entregar sua comidinha, na segurança e conforto da sua casa, muitas vezes sem sequer terem se alimentado direito e ainda tomando prejuizos diversos. Grande abraço a todos!

    • Ganhou o título de “maior comentário no meu blog”… :) Brincadeiras à parte, peço que repare que em momento algum eu falei que o problema era com os entregadores ou com os funcionários que trabalham no Habib’s. Concordo com suas reclamações, e aprecio muito os fatos que ilustrou. Eu já temia que o Habib’s não pagava essa conta. Acreditava no milagre da lanchonete arcando com o prejúizo. Mas, no benefício da dúvida, eu só ganhei o lanche grátis uma vez na qual a loja esqueceu do pedido. Liguei depois de meia-hora para saber quando o pedido chegava e levou uns cinco a dez minutos até descobrirem que o balcão “sumiu” com a comanda. Por algumas outras ocasiões, o pedido chegou entre 25 e 30 minutos e eu nem dei bola: paguei sem nem me importar (só via o tempo depois de pagar e voltar para casa).

      Só peço, Marcos, que entenda o que realmente me deixa indignado. O ridículo foi perder a previsibilidade na entrega. De todos os deliveries da região, o Habib’s era o único que atendia o prazo de 30 minutos (já recebi uma vez em 15)! O frete era absurdo, o triplo de qualquer outra entrega, mas eu recebia rápido. Hoje, o frete é o mesmo, não tem prazo algum e sinto que o atendimento piorou! Considerando os fatos que apresentou, o porquê fica mais claro.

      Outra coisa que me irrita nessa lei: perceba que, agora, os bons entregadores não podem ser recompensados, nem os maus, punidos – lembrando: ambos são legalmente proibidos! E, como o Fábio imaginava e você confirmou, a pressão continua existindo. Ou seja, é uma lei estúpida e inócua.

      Aliás, desculpa se não me fiz entender direito no post, mas eu nem teria escrito se o Habib’s tivesse simplesmente acabado com a promoção. Eu teria imaginado: “já deu prejuízo suficiente para eles”. Ao contrário do que parece, eu tento ser o mais “relax” o possível quando uso serviços de delivery. Nunca faço pedidos na chuva, por exemplo. Acho uma falta de respeito com os motoboys. Eu poderia simplesmente estocar comida e nunca mais viver de entrega, mas ainda acredito que pedidos entregue em casa ainda ajuda a manter as empresas abertas, e, consequentemente, as pessoas empregadas. Espero, com isso, estar fazendo algo de bom.

  4. Obrigada pelo texto Marcos, achei muito bom! Nao tinha noçao disso tudo que vc explicou. Valeu!

  5. Eu nem conhecia os 28 min do Habibs, acho q o Habib’s nem entrega aqui no Rio. Na verdade acho a comida deles uma porcaria, aqui no Rio temos uma grande colônia árabe/siria/libanesa e conhecemos uma boa esfiha!! O que me incomoda são os 30 minutos da Domino’s! Essa sim faz falta!

    PS: moro a 2 quarteirões da loja, dá pra entregar de bike!


Leave a comment

(required)


*