Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

31Jul/117

Esfiha em 28 minutos? Esquece!

Nunca fui com a cara da Dilmarionete desde a época da candidatura. Agora, tenho mais um motivo para votar "totalmente insatisfeito" se alguma pesquisa me perguntar o que acho da presidência atual. Quem não adora a promoção dos "28 minutos" do Habib's? Eu, particularmente, sempre usei essa promoção como "salvaguarda" quando estava com fome, sem nada em casa, e queria pedir algo com mínimo de risco de atraso. Agora já era!

Em 6 de julho de 2011, nossa "digníssima" simplesmente aprovou a lei 12436/2011, que, explicitamente, proíbe qualquer forma de recompensa para manter prazos de motoboys. Ou seja, não temos mais nenhuma garantia de entrega agora! Pura e simplesmente! Se o motoboy quiser levar uns 50 minutos para atravessar o quarteirão, ele pode! Se a empresa de entregas que você contratou quiser fazer só uma entrega por dia, ela pode!

Sinceramente, é assim que acham que vão diminuir o índice de acidentes com motos? Que tal fazer as leis atuais serem cumpridas? Limite de velocidade, sinalização semafórica, etc?

Como sempre, quem perde? Os consumidores otários que pagam uma fortuna de impostos que nem eu! Agora, nem direito a um "fast-food" realmente "fast" vamos ter!

Categorias: shoutbox 7 Comentários
30Jul/111

Moda Masculina para “Gordinhos”

Eu sou gordo. Não fico tentando disfarçar com diminutivos ou substitutos ("cheinho", "fofinho", etc). Meu IMC gira na casa dos 31, e isso nunca me incomodou. Até eu querer comprar algumas calças jeans. Camisas eu não tenho problema, pois também sou nerd e as lojas "especializadas" sempre tem uns EGs ou maiores. Mas calça jeans vai virar meu martírio. Preciso comprar algumas e, dando uma olhada na Internet para ver quais lojas tem meu número, cheguei a uma triste constatação.

Existem duas faixas de medidas na manufatura de calças: dos 30 e alguma coisa até os 48 (afinal, o mundo é dos magros), e do 56 em diante ("moda grande"). Reparem no "buraco" entre os 50 e os 54 (uso 50/52). Pensei que era paranóia minha até encontrar uma loja em Guarulhos que vende modelos 38/48, 50/54 e 56/60. Ou seja, sou gordo demais para o mundo dos magros e magro demais para o mundo dos gordos!

Finalmente entendi o porquê na dificuldade em achar calças. Se eu vou em "lojas normais", 50 em diante é para lojas de "gordinhos". Se vou na "moda grande", 54 abaixo é para "lojas normais". Presumo que uns 90% das lojas de roupas são femininas e 95% das masculinas são para os magros. Isso significa que somente meio porcento de lojas poderiam me atender, e nem elas tem meu número!

Se eu tivesse dinheiro, investiria nesse mercado! São raros os modelos de calças para essa numeração. Mercado aberto e com pouca concorrência!

PS: Se você tem dinheiro e vai investir, lembra de mandar algumas calças no meu número para mim como agradecimento pela idéia!

Categorias: sandbox 1 Comentário
23Jul/110

Encontro explosivo (Knight & Day)

Mais um filme com o título mal traduzido. Estou assistindo agora no Telecine, e vou falar: coisinha sem-sal. Tom Cruise tenta bancar o espião badass enquanto a Cameron Diaz faz o estereótipo de mulher inútil em filme de ação (daquelas que gritam toda hora). Filme para assistir quando você não tem absolutamente nada melhor para fazer.

Tem seus momentos bons, mas algumas coisas precisam de muito álcool para engolir. Uma das piores é uma tal de bateria Zéfiro. Feita em um fundo de quintal, tem "energia infinita", capaz de "alimentar cidades" - tamanho AA. Carl Sagan deve ter se revirado no túmulo. É um fato que 100g de matéria tem uns 9 terajoules de energia (ou aproximadamente 2 kilotons), mas seria ridícula a transmissão dessa energia em uma área tão pequena. Cabos de 2kA precisam de uma secão de 20cm²! Fora o fato que não existe energia infinita. Mesmo o Sol, que o filme disse ter "energia infinita", tem duração de alguns bilhões de anos (e 139 mil km de diâmetro para sustentar esse feito). Como se não bastasse, a bateria "esquenta" o filme inteiro. Algo com essa potência não iria esquentar aos poucos - qualquer chuveiro, com alguns poucos quilowatts estoura em instantes sem água. E, no fim do filme, a tal bateria explode. Era para gerar uma supernova se tivesse tanta potência assim quanto eles dizem.

Oh, well. Pelo menos vai passar "Os Mercenários" agora. 0% interpretação, 100% testosterona. Um pouco de violência irracional para fazer uma assepsia mental.

23Jul/112

Mac OSX Lion

Finalmente saiu! E, claro, já atualizei. Usuários Windows não tem noção do que é simplesmente pagar míseros US$ 30 (R$ 48) para atualizar o sistema operacional. Imagina pagar R$ 45 pelo Windows 7? Quem dera, né? E sem precisar comprar um DVD! Basta ir na App Store e comprar o Lion como se fosse qualquer outro aplicativo! 3.6 GB depois, a instalação é, literalmente, "Aceito o Termo", "Next", "Restart". Queria ver atualizar um Linux assim tão fácil. Quando faço um upgrade no Fedora, é seguir algumas instruções obscuras e rezar para não dar problema (sempre tem um monte de arquivos no /etc que preciso corrigir manualmente).

Enquanto baixava, fiquei lendo os comentários de quem já atualizou. Maioria absoluta de elogios, mas, como sempre, algumas críticas. Acho engraçado como um ou outro software dá pau e o cidadão dá nota mínima. Ninguém faz isso quando o novo Windows joga metade dos softwares atuais no lixo! Quem manda a Adobe não testar o CS no Lion? Betas tiveram aos montes para isso!

Meia hora de instalação depois (devo acrescentar que foi muito mais rápido que qualquer outro mega-upgrade desses que já fiz em máquinas Linux e Windows - mesmo com meu Macbook não sendo top de linha), a qual passei a maior parte do tempo jogando Need for Speed no meu iPad 2 (prometo um review WID), aparece um mini help e algumas muitas novidades.

Apesar do sentimento de "estar em casa", muita mudança surgiu no Lion. Boa parte veio do iOS. Já vi gente reclamando que o Mac OS não deve ser um iPad com teclado, mas discordo. Ter uma interface unificada é sensacional. Usar o pinch de quatro dedos para a lista de aplicações, independente de qual dispositivo uso é ótimo. Parece que tenho um dispositivo só, seja no meu MacBook, no meu iPod Touch ou no meu iPad 2. Aliás, escrevendo o post, descobri que posso usar os quatro dedos sem o polegar, apenas fechando-os - mais ortopédico que tentar com três e o polegar. E o mesmo truque funciona no iPad.

Ainda preciso me acostumar com o scroll, que foi invertido, mas é mero costume. O truque é perceber que o scroll simula um touchscreen, e não um "clica e arrasta" no scrollbar. E, falando na barra de scroll, ela só aparece quando necessária, ficando quase sempre oculta.

Clique com dois dedos ativa o menu de contexto (ou o "botão direito", em termos "Windows"). Arrastar dois dedos faz scroll ou o "page swipe". No Safari, também faz o "back" e "forward" ("on steroids" - pois tem uma animação muito legal). "Double-tap" e "pinch" de dois dedos faz zoom (absurdamente "smoothly" no Safari).

Drag de três dedos faz o "clica e arrasta". Parece bobagem, mas não preciso tencionar meu indicador com o click-n-drag da seleção "clássica". Mais uma ajuda para não ter LER. Ainda mais com um pequeno tempo para estender a seleção. Ou seja, se a seleção extrapola a área do touch, tenho alguns milisegundos para tirar os dedos do touch, ir para outra área, baixar os dedos e continuar a seleção. "Double tap" de três dedos faz a procura de dicionário, sinônimos e Wikipedia. Sensacional.

Com quatro dedos tem vários gestos. Arrastar para cima mostra o Mission Control (antigo Exposé). Para baixo, mostra as janelas ativas. Para os lados, troca entre aplicações fullscreen - até o Safari fica em tela cheia - mas, sair do jogo sem "Alt-Tab" depende de suporte de cada aplicativo. É melhor que o "tela cheia" do Firefox, que cobre tudo e detona o sistema de janelas. O Dashboard virou uma aplicação fullscreen agora, então não preciso do "F4" para ativar. "Pinch in" mostra a lista de aplicações iOS-like. "Pinch out" mostra a área de trabalho.

E, por fim, as caixas de texto tem autocorreção e sugestões, igual ao iOS (senti falta disso). "Post" virou "posto" duas vezes enquanto eu escrevia.

Nem tudo são flores: senti falta de algum protetor de tela novo... :)

Categorias: geek 2 Comentários
20Jul/110

Fail Jornalístico

A notícia em si já é uma comédia, mas repare na infeliz coincidência:

17Jul/110

Quem disse que o Google é perfeito?

Considerando a idade da pesquisa do Google, espera-se que não tenha bugs muito bizarros. Em um tapa só, encontrei duas aberrações. Veja a tela:

Tela do Google mostrando uma pesquisa não relacionada e um bugEstava tentando lembrar qual a faixa de freqüência na qual as redes 102.11b/g opera. Pesquisando no Google, ele me não trouxe nada útil. Em uma das tentativas, por razões que devem ser sinistras, o "102.11" foi ignorado e o "b/g" virou "Bee Gees". Errou feio. E, para completar, aparece o link "mostrar mais resultados de wikipedia.org" que, ao clicar, aparece... Nada!

15Jul/110

MacGuyver brasileiro

Meu colega Flávio, do BuscaPé, me passou um link para uma notícia bem interessante. Depois de ter sua casa roubada oito vezes (sem nenhuma ajuda da polícia), o cidadão montou uma armadilha para o ladrão. Usando dois canos, uma ratoeira, duas balas de escopeta e alguns cabos, o candidato a MacGuyver improvisou uma arma que desceu dois tiros no meliante quando este abriu a porta. O vizinho, que viu o futuro difunto invadir na casa, ligou para o dono do imóvel para avisar o ocorrido. Este só pediu para que chamasse a polícia.

O Professor Pardal do Mundo Bizarro foi indiciado por homicídio doloso, para revolta geral de todo mundo que vê a notícia. Também acho um absurdo, mas a culpa foi dele. Eu, como outros na Internet, teria mirado mais abaixo, para fazer uma "castração balística" no malaco.

Como disse alguém que não lembro o nome: "isso é o que chamo de Jogos Mortais"...

15Jul/110

Como comparar poupança com fundos

Brasil é um país complicado para investir com mínimo grau de risco. Poupança rende um mínimo necessário, fundos de investimento são penalizados por uma taxa de imposto absurda e tentar os títulos do tesouro requer uma enorme burocracia. Pesquisando um pouco a fundo sobre os fundos, achei uns números interessantes.

Comecemos com os fatos. Fundos de investimento indexados (ou seja, aqueles atrelados ao CDI ou similar) enquadram-se em três categorias de tributação: renda fixa, curto e longo prazo. No sítio IGF tem uma lista bem detalhada. Para os cálculos, consideremos a poupança como 0,61 (índice de junho de 2011).

Renda fixa é o mais simples, pois é tributado somente no resgate. 22.5% se mantiver o dinheiro por menos de 180 dias, variando até 15% se mantiver por 720 dias. Um investimento de 6 meses, para ser melhor que a poupança, precisa render, pelo menos, 0,78% (ou seja, precisa ser 28,5%  maior). Se mantiver pelos 720 dias, o rendimento precisa ser de 0,71%, ou seja, apenas 15,7% maior.

Curto e longo prazo tem tributação semestral (ou seja, o imposto é retido sobre os lucros duas vezes por ano). O percentual é fixo, e o valor de resgate é proporcional ao período investido.

Curto prazo tributa em 20% semestralmente, subindo para 22.5% se resgatar antes de 180 dias. Para vencer a poupança, o rendimento precisa ser de 0,76 (24,5% maior). Antes dos 180 dias, o valor sobe para 0,78 (28,5% maior).

Longo prazo tributa em 15% semestralmente, ou 22.5% para resgates antes dos 180 dias diminuindo em escalas até os 15% depois de 720 dias. Significa rendimento de 0,72 (17,3% maior).

Ou seja, investindo por 180 dias, com poupança a 0,61, um fundo qualquer precisa de 0,78 (todos tributam a 22,5% nesse período). Investindo por 360, o número muda para 0,76 (mais uma vez, todos tributam a 20% nesse período). A partir de 360 dias, as diferenças surgem. CP precisa de 0,76, enquanto LP e RF precisam de 0,73. E, com 720 dias, CP vai a 0,74 e LP a 0,72 e RF a 0,71.

Percentualmente, RF tem a maior vantagem, embora LP tenha um rendimento bem próximo. CP tem um desempenho bem pior, comparado com todos os outros. No final, o que pode contar na escolha é o grau de risco, taxas pré e pós fixadas, entre outros. Mas o principal é poder considerar que, para um investimento de 2 anos e poupança a 0,61, fundos curto-prazo precisam render 0,76, longo prazo 0,72 e renda fixa 0,71. Se estiver abaixo, a poupança ganha.

Note também que, por tratar-se de juros compostos (com principal variante no caso de CP e LP), o tempo de investimento irá mudar essas variáveis. Quanto maior o tempo de investimento, mais próximos da poupança esses números ficam (embora precise de muitos anos para ficar realmente próximo).

10Jul/110

Webdesign ficou mais simples

Lembro que, em 1999, quando eu trabalhei por quatro meses como webdesigner em Brasilia, o trabalho era muito difícil. Mesmo com o Dreamweaver para auxiliar, o Netscape e o IE faziam uma disputa implícita para deixar a Internet compatível apenas consigo mesmo. Era digno de uma verdadeira epopéia fazer o sítio ficar bonito e compatível. Na época ainda era aceitável colocar o ícone "compatível apenas com o IE".

Anos depois, como programador júnior na antiga Unitech (que foi comprada pela Braxis, que se juntou com a CPM e agora foi tudo comprado pela Capgemini - maravilha isso no meu CV), o problema de compatibilidade migrou do HTML para o Javascript/CSS. Não existiam mais "blinks", "marquees" e outras nojeiras inúteis, mas era outro épico conseguir fazer o CSS e o Javascript rodar igual no IE, no Mozilla e no recém-nascido Firefox.

Agora, com o Safari, o Opera, o Chrome, o Firefox, o IE, e alguns outros menores, seria uma volta pelos nove círculos do inferno obter compatibilidade. Graças a Deus alguém pôs juízo na cabeça dos quatro primeiros, pois a padronização é lei para eles.

Ou seja, onze anos depois de digladiar com a falta de padrões, hoje posso deleitar-me aliviado com o design em XHTML e o CSS, seguindo os preceitos Zen, pois apenas poucas - e conhecidas - gambiarras garantem a compatibilidade entre os navegadores.

Aliado ao Wicket e frameworks JS (que nem o jQuery), criar um website pessoal Java ficou muito mais simples e produtivo.

9Jul/110

iPad 2 – Primeiras (e segundas) opiniões

Já estou com meu iPad 2 a algumas semanas e estou me divertindo muito. Se eu fosse um usuário simples de Internet, nem precisaria mais de um computador normal. Infelizmente, nem todos os sistemas para iOS estão devidamente adaptados para o iPad, mas alguns estão e são muito legais. O do BuscaPé, por exemplo, fica mais detalhado. Os que não estão adaptados ficam em uma mini tela que ocupa apenas metade da área disponível. O iPad consegue dar um "zoom", mas nem de longe fica realmente bom.

Para apagar meu spam diário, jogar no OGame e outras baboseiras, o iPad está muito legal. Fora a integração incrível entre o iPad, meu iPod Touch e meu MacBook. Todos os dados estão perfeitamente sincronizados. Mal posso esperar pelo iOS 5, que vai fazer a sincronia via Wi-Fi.

Categorias: geek Sem Comentários