Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

13Mai/112

Nosso Sistema Solar

Parabéns para a NASA. Já sou fã do Astronomy Picture of the Day, que, com suas espetaculares fotos de astronomia, é fonte de todos os meus "papéis de parede" já faz algum tempo. Ao procurar uma foto da nossa Via Láctea, encontrei o Eyes on the Solar System. Simplesmente a coisa mais linda e perfeita que a tecnologia atual pode fornecer a pobres mortais que nem eu.

Depois de instalar um plugin, você passa a ter acesso a uma incrível base de dados da NASA. É praticamente um Vórtice da Perspectiva Total (minha máquina favorita no "Guia do Mochileiro das Galáxias").

Basicamente, você tem a posição e velocidade exata de todos os planetas, satélites (luas ou artificiais), cometas, grandes asteróides, além de modelos 3D em escala! Sinceramente, perfeito! Mergulhei horas "viajando" no nosso sistema solar. Você passa a ter uma perspectiva total de muita coisa. A proporção das órbitas e tamanho de planetas é algo que você não vai ver nos livros.

Por exemplo, quando pensamos nas órbitas dos planetas, somos ensinados a pensar assim:

Acho que a Terra fritaria se fosse realmente assim. Perceba a magnitude das órbitas reais:

A Terra sumiu! Júpiter, nosso gigante, é um pontinho insignificante. E perceba o tamanho espetacular de sua órbita. Compare então com os vizinhos Marte ou Saturno! O desenho agora parece coisa de criança, não?

E a Terra com a Lua, então? Sempre pensamos que ela está "ali do lado". Esse GIF animado representa bem o que nosso senso comum diz:

Tremenda heresia! Acho que se as proporções fossem essas, a lua já tinha se espatifado na superfície da Terra. Tente achar nosso planetinha azul nessa imagem aqui, tirada atrás da lua:

Essa monstruosa bola de terra e água em que vivemos vira quase que um ponto quando estamos na face "oculta" da lua! Fora a quantidade fenomenal de crateras que nosso satélite tem! Com meus conhecimentos de astronomia, eu sei que, por não ter atmosfera, a lua recebe os impactos de todos os asteróides que caem lá, independente do tamanho. Aqui, os pequenos "evaporam" na atmosfera. Entretanto, eu não tinha noção da textura da lua! É incrível e indescritível! E, só dando uma volta de 360 graus nela para ter a real noção! Espetáculo de Deus!

E a tal "velocidade da luz", então? Estamos habituados a pensar nela como algo praticamente instantâneo: afinal, você liga o interruptor e a luz aparece! Mesmo em seus absurdos 300 mil km/h, leva um tempo fenomenal para você se deslocar em nosso sistema solar nessa velocidade! Ao usar o "fast forward" do EotSS, fui aumentando a velocidade até chegar na velocidade da luz (para sentir o poder de um motor de Dobra). Coisa mais chata! Muito lento! Nada de estrelas virando raios que nem em Star Trek. Tudo parecia parado, como se estivesse em pausa! Os planetas aproximando em uma velocidade patética de lenta! Mas, apesar disso, a perspectiva foi muito legal! Imaginar que, mesmo o elemento mais rápido do universo é tão incrivelmente lento comparado com o tamanho do nosso sistema solar!

Outras duas coisas que valem a pena mencionar: Phobos e Deimos, as duas luas de Marte, não são redondas que nem nossa lua! Parecem dois asteróides (ou até dois "feijões", se preferir)! Mercúrio, que, por ser o planeta mais próximo do Sol, dizem ser vermelho, na verdade é cinza! Parece nossa lua! E, mesmo em Mercúrio, o Sol parece só uma bolinha pequena, que nem aqui na Terra! Espanta perceber que a diferença entre as distâncias para o Sol é algo tão subjetivamente nulo, visto do próprio planeta, e, mesmo assim, é suficiente para definir se existe ou não vida no planeta!

E, por fim, para mostrar o quanto somos insignificantes, sinta a vista da Voyager 2 no dia e na exata hora em que nasci:

Comentários (2) Trackbacks (0)
  1. Post maravilhoso, poético e triste. Sempre que observo ou me recordo da imensidão do universo tenho um terrível sentimento de vazio e insignificância.

    É tudo tão grande que mesmo que fossemos rápidos como a luz pouco adiantaria.

    Como diria Drummond “Eta vida besta, meu Deus.”

  2. Um espetáculo a parte, do Cosmos e da tecnologia!!


Leave a comment

(required)


*

Sem trackbacks