Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

23Nov/090

Primeiras impressões sobre o Google Chrome

Como "minhas" máquinas, tanto em casa quanto no trabalho, tem apenas um mísero gigabyte de memória (lembro-me da época em que isso era muito), preciso improvisar direto. O Firefox, por melhor que seja, é pesado demais para manter 24/7 junto com o NetBeans, Jetty/Tomcat, JOGL e etcs.

Decidi, então, experimentar o anoréxico Google Chrome. Aparenta ser leve, mesmo. O startup é rápido e o footprint é obviamente proporcional ao número de abas. Basta abrir o gerenciador de tarefas para notar que tem um processo por aba. Se tiver um IPC bom, isso torna válida a regra "quanto-menos-abas-melhor" que os leigos tanto conhecem e que o Firefox joga no lixo com o histórico de abas.

O que leva a perguntar: já que a aba tem um processo próprio, o que acontece se ele morrer de causas não-naturais? Tasquei um SIGKILL (ou similar, no Windows) e tudo aparentou estar normal. Normal até demais: a aba ainda estava lá! Mas, para minha surpresa, eis o conteúdo dela:

Erro no Google Chrome

Fora a comédia que é essa tela, fiquei admirado, pois é uma arquitetura bem mais robusta que o "Isto é embaraçoso" do Firefox. Presumo que fica mais difícil o navegador inteiro cair.

Mas, para mim, ainda continua sendo mais um produto Beta do Google. Espantosamente, não consegui publicar este post no Chrome - todas as quebras de linha sumiram! Vai servir para economizar um pouco de memória, mas ainda vai demorar muito para substituir o Firefox.

PS: Por quê chamei o Chrome de anorexico? Veja a imagem a seguir...

Mulheres x Browsers