Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

26Nov/080

Wiki no palito

Quem é fã da Wikipedia e do MediaWiki como eu, adora tanto a tecnologia que move o MediaWiki quanto a filosofia que rege a Wikipedia. Planejando instalar uma nova Wiki aqui no trabalho, descobri que é possível ter sua própria Wiki no palito ("Wiki on a stick"). Basta baixar um zip, executar um exe e ter o mais poderoso scratchpad que a revolução OpenSource pode lhe oferecer: uma Wiki inteira em seu pendrive.

Como vem em vários sabores, a "wiki no palito" pode servir a vários propósitos. Para mim, será minha "memória secundária", com direito a criptografia e backup.

25Nov/080

Max Payne (ou seria "Max Pain"?)

Quem jogou Max Payne deve ter passado meses esperando pelo filme. Eu ficava imaginando como fariam os melhores elementos do jogo, como as cut-scenes em quadrinhos ou o tão clássico "Bullet Time".

Infelizmente,  do jogo só sobrou o nome do personagem principal e o fato que a família dele morreu. Com míseras três cenas de tiroteio, sem nenhum sangue voando, o mais próximo do "bullet time" foi uma cena Matrix-like, na qual Max contorce-se para trás, atirando com uma .12, enquanto o bandido, com um RIFLE DE ASSALTO COM MIRA consegue errar todos os três ou quatro tiros - e erra feio: cada tiro passa a quilômetros de distância.

Nem preciso mencionar a quantidade absurda de clichês que tem nesse filme: tirando a parte do policial que perdeu a família, temos uma droga super-moderna patrocinada por uma empresa multimilionária que desenvolve coisas para o governo e um desses experimentos sai muito errado, gerando um supersoldado que pira na batatinha. Adicione algumas alucinações com anjos e demônios, policial que precisa provar a própria inocência, assassinatos misteriosos e pronto! Temos um filme tão ruim que, não só é um bizarro empréstimo da marca "Max Payne" (nem pode ser considerada "adaptação"), como também é um filme bizarro por si só...

Recomendo assistir somente se for de graça, pois é um absurdo desperdício de dinheiro. Até minha esposa, que não é nerd e nunca jogou Max Payne, achou o filme horrível.

19Nov/080

NetBeans 6.5

Finalmente o NetBeans 6.5 foi disponibilizado para download! Estou louco para testar as novas features, mas o proxy aqui do trabalho barra o download...

14Nov/080

O outro lado da moeda

A notícia que vi no "Em cima da hora" do Globo News foi simples, curta e grossa. Pelo que lembro, dizia que um incidente ocorreu em uma grande loja de varejo, no qual o segurança bateu boca e atirou em um cara que entrou na loja mal-vestido. Só me liguei no detalhe: "negro e mal-vestido", pois sei que, no Brasil, isso é tratado como sinônimo de ladrão e vagabundo.

Como o noticiário, que adorou mostrar a esposa dele chorando e lembrar que ele tinha filho pequeno, não falou nada mais sobre o falecido, fiquei na dúvida: "qual a história dele?". Será que ele seguia o estereótipo de "mal-vestido, ladrão e vagabundo" ou era apenas um trabalhador honesto que estava se lascando para tentar montar uma vida honesta e não tem como gastar dinheiro para se vestir bem só para ir nas Casas Bahia?

Hoje, lendo um post no "Linux... e mais coisas", descobri a resposta para essa pergunta. E, como uma verdadeira paulada na cara dessa sociedade hipócrita, mais um honesto morre com a fama de vagabundo. Copiado do blog do Fábio (que copiou de outro blog), temos o fim de mais uma história que poderia ter um final feliz:

A Casa do Zezinho, há mais de 10 anos, é um oásis de cultura, educação, civilidade e afeto para 2 mil crianças na periferia de São Paulo. Localizada no epicentro dos bairros Jardim Ângela, Capão Redondo e Parque Santo Antônio, a Casa oferece dezenas de oficinas culturais, além de apoiar os jovens na escola e na vida doméstica. A maioria esmagadora deles não tem pai, poucos podem contar com a mãe, geralmente ocupada em lutar na cidade para levar algum dinheiro para casa, ou em muitos casos, afundada no alcoolismo.
Mesmo com esse quadro duro, assustador, frequentar a Casa do Zezinho, com frequento como colaborador voluntário há mais de 5 anos, é uma grande alegria. Porque lá a gente aprende com o sorriso e garra das crianças. Quem vive do outro lado da moeda e acha que a vida é dura e injusta, pode tomar uma ducha instantânea de ensinamentos a um simples contato com um garoto ou garota da Casa do Zezinho. Todos eles são sobreviventes e vencedores de uma guerra dura e diária.
Na última segunda-feira, essa ONG, que representa um verdadeiro DNA de ética e eficiência para o país, foi barbaramente atingida. Um de seus “Zezinhos” mais queridos, já grandinho, com 23 anos, lutanto para enfrentar a vida, agora como pai de família, foi estupidamente assassinado. O nome dele é Alberto Milfont Jr. Segue o relato indignado abaixo das educadoras da Casa do Zezinho, ao quem eu me junto e convido cada um de vocês a se juntar e espalhar essa notícia por aí.

..::..

Nota de repúdio e indignação

A Casa do Zezinho está de luto. A ONG Casa do Zezinho mostra seu profundo repúdio e indignação. Um dos seus filhos queridos, o jovem Alberto Milfont Jr, (23), foi barbaramente assassinado dentro das Casas Bahia na Estrada de Itapecerica por um segurança terceirizado, que trabalha nessa instituição, na segunda feira por volta das 16 horas. O segurança, em sua defesa, alega que agiu assim porque simplesmente o jovem estava mal vestido.
O jovem Alberto, mal vestido, morre com a nota fiscal, com comprovante de compra nas mãos.
Enquanto aguardava dentro da loja, “roupa de trabalhador”, sua esposa Darilene (22) voltava do caixa aonde fora pagar a prestação da compra de um colchão. Foi abordado pelo assassino, terno preto. Depois de um bate boca ligeiro o segurança saca da arma e atira à queima roupa. O jovem tomba sem vida.
Suas últimas palavras: “Sou cliente, não sou ladrão!”. A partir daí se calou. Calou da mesma forma como estamos calados, sufocados há 400 anos. Que grande equívoco este país!
Mal vestido, roupa de trabalho, é um sinal verde para o braço armado da sociedade, o assassino pago para atirar. Alberto deixa esposa e um filho de 5 meses. Alberto deixa morta a remota esperança de milhares de jovens brasileiros. Estudar pra que? Trabalhar pra que? Ser honesto pra que? Brasileiros alfabetizados, respondam honestamente essa pergunta!
O menino brincalhão, comprido e de pernas finas entrou para a Casa do Zezinho aos 10 anos. Sua turma do Parque Santo Antônio já estava todinha ali. Vai ser muito legal, ali vamos nos divertir para valer. O jovem deixa excelentes recordações em toda nossa comunidade, onde permaneceu como um membro muito querido até 2003.
Estava de casamento marcado com a jovem Darilene, com quem tinha um filho de apenas 5 meses.

Suspeita e pobreza sempre juntas na nossa história.

Nenhum (a) jovem “mal vestido” (leia-se moreno, pardo) da periferia ousa sequer pisar num shopping de grife da cidade sem levantar as mais alarmantes suspeitas. Nenhuma placa, nenhum sinal explcita essa indesejabilidade, como faziam com os negros os norte-americanos. Diferentemente dos americanos, aqui o jovem da periferia já traz gravada na carne, na alma, essa interjeição.
Nenhuma revolta, nenhuma vingança organizada. Nada que a sociedade deva se preocupar. Apenas o destempero de um segurança idiotizado, uma peça para reposição. No Cemitério São Luiz o murmúrio surdo da mãe e da jovem esposa.
Dentes cravados, os jovens cabisbaixos que acompanham o enterro trazem o sangue nos olhos. – O mano Alberto subiu!
Com muita raiva seguimos com eles, solidários, para tentar preservar essa auto estima tão covardemente destruída desde o seu nascimento nas favelas.
A vitória da morte exercida com eficiência certeira desde sempre no país pelo braço armado contratado pela sociedade dominante e pelos seus comparsas que dominam toda a estrutura de poder do estado.
Pras Casas Bahia deixamos como lembrança o carnê saldado com a honra e a dignidade de um jovem trabalhador.

Adeus mano Alberto!

12Nov/080

Momento geek/nerd da semana

Depois do momento mórbito, vem o momento geek. Após mais alguns minutos de cultura inútil (uma vez que a companhia para o almoço não sai da reunião), descobri também que:

  • Sou 75% viciado em blogging - o que me leva a perguntar o que é 100% ou 0% (ou até 50%);
    75%How Addicted to Blogging Are You?
  • Sou 67% geek - sacanagem... Era para ser uns 100%...
    67% Geek
  • Meu HTML e CSS vão mal... Só lembrei de 38 tags e 41 propriedades... Nem acredito que esqueci as tags de formulário...
    38
    41
  • Mas, para jogar minha humildade pro saco, conheço 92% das linguagens de programação mais (in)comuns - só errei no Fortran:
    Name That Code

Claro que não perguntei a São Google. Isso só testaria minha capacidade de fazer pesquisas...

12Nov/080

Momento mórbido da semana

Andando na blogosfera, tropecei em um site especializado em quiz. Tem dos mais interessantes aos mais bizarros. Aproveitei minha hora de almoço para fazer alguns.

Após alguns minutos de cultura inútil, já sei que:

  • Eu sobreviveria 1 minuto e 45 segundos no vácuo;
    How long could you survive in the vacuum of space?
  • Aproximadamente 139768 pessoas morreram no dia em que eu nasci - curiosamente, nenhum famoso morreu no dia do meu aniversário;
    139,768 People
  • Meu cadáver vale US$ 4140 - nem imagino como, mas vale mais que meu blog;
    $4140.00The Cadaver Calculator - Find out how much your body is worth.
  • Falando em cadáver, o meu alimentaria 16 canibais;
    How many cannibals could your body feed?
  • Falando em canibalismo, em um acidente no meio de uma tempestade, eu teria 17% de chances de comer meus amigos (mas alimentaria 16 deles);
    17%
  • Se eu ficasse preso em casa, poderia sobreviver exatamente um mês - duvido muito;
    How Long Could You Survive Trapped In Your Own Home?
  • E, meu favorito: tenho 46% de chances de sobreviver à uma invasão de zoombies! Anos de jogos e filmes de zoombies finalmente valem a pena! Talvez um pouco de malhação ajude a aumentar minhas chances...
    46%
4Nov/080

Sim, sou geek!

Navegando na blogosfera, achei um post no GeracaoWeb falando sobre características de um geek. Na verdade, ele achou as características na Wikipedia, mas esqueceu de colocar o link... Falhas à parte, eis a cópia da lista de características:

  • Na escola costuma(va) sentar-se nas cadeiras centrais e adora(va) corrigir seus professores e colegas;
    E como! Primeira fila sempre!
  • Adora computadores e, freqüentemente, são capazes de programá-los;
    Trabalho com isso, meu hobby é isso... E, modéstia a parte, estou sempre me aperfeiçoando na arte de programar.
  • Gosta de jogos de computador;
    Normalmente preciso de uns 40 "continues", mas adoro um jogo de computador (melhor ainda os clássicos de décadas atrás).
  • Gosta de tudo relacionado à alta tecnologia e gadget;
    Com certeza! Já tive celulares, palms, video-games, celulares que parecem video-games, entre outros.
  • Gosta de ficção científica/fantasia em filmes, livros e jogos;
    Douglas Adams! Isaac Asimov! Etc, etc.
  • São consumidores potenciais de tecnologia e tudo o que for relacionado, e está antenado aos últimos lançamentos;
    Isso eu fico devendo. Quando meu salário deixar, volto a consumir mais.
  • Internauta de carteirinha, passa maior parte do tempo em frente ao computador navegando na internet;
    Tenho um blog, postando nesse momento. Não preciso dizer mais nada...
  • Tem sede de conhecimento, e quanto mais conhecimento adquire, mais deseja conhecer.
    Desde receita de bolo até física quântica (exceto misticismo - acho desnecessário, para mim).
  • Gosta de leitura, na maioria das vezes se interessa por assuntos que a maioria não tem interesse ou desconhece o assunto;
    Redundante, mas menciono física quântica novamente...
  • Encontra soluções fáceis para as coisas, por ser uma pessoa que sempre está pensando de forma acelerada;
    Facilita muito no meu trabalho...
  • Tem o pensamento a frente das demais pessoas.
    Vide...

Em resumo, sou geek, e com orgulho. Também sou nerd, otaku, etc, etc, mas é assunto para outro post.

4Nov/080

Trocando senha no MySQL

Não curto o MySQL. Nunca fui com a cara do sujeito, mas a convivência é aceitável. Hoje precisei recuperar a senha de um usuário, e, após perguntar a São Google, achei o seguinte comando:

SET PASSWORD FOR 'usuário'@'servidor' = PASSWORD('nova senha');

Funciona, mas você precisa saber qual o nome do usuário e, principalmente, o nome do servidor a partir do qual o usuário se conecta. Se não sabe, mais um comando resolve o problema:

SELECT host, USER FROM USER;

Cruel, mas, como sei que no Oracle não é muito diferente, nem vou reclamar.

3Nov/080

Buracos negros na Internet

Muitos sabem que, na China, em Cuba e na Arábia Saudita, a Internet é censurada pelo governo. O que poucos sabem (e eu descobri a pouco tempo), é que esses países não são os únicos. Em alguns locais, até o computador pessoal é proibido. Esses "buracos negros da Internet" estão relacionados em um post do Strange Maps.

Se parar para pensar, é fascinante o fato que, graças ao governo da China, um terço da população mundial não tem acesso livre à Internet.