Blog do Eduardo Costa Meu blog pessoal

15Out/080

Novas (e antigas) técnicas de programação

Um colega me enviou um link interessante sobre o BDD (Boss Driven Development). Achei muito divertido, principalmente por ser verdade em muitas empresas. Graças a Deus, onde trabalho não é assim, mas já trabalhei em lugares onde a idéia é agradar o chefe, e a empresa como um todo fica em último plano. Realmente horrível.

Usando o HT do HTML, encontrei o blog Fragmental que, entre outras coisas, falou o que penso das consultorias. Bom saber que não é opinião só minha. E, mais um link depois, achei a pérola que eu queria: um artigo que fala que nem só de VOs e BOs vivem as aplicações JavaEE.

Odeio cebolas. Tanto as leguminosas quanto as feitas em Java. As duas são amargas, cheias de camadas e fazem você chorar quando começa a mexer com elas. Para mim, não tem nada mais grotesco do que uma aplicação cebola, com mais camadas que classes.

A receita para uma aplicação cebola é simples: basta colocar um design pattern em cada recurso novo de seu sistema. "Tenho que fazer 2+2 aqui" - transforme em uma factory de operações matemáticas que recebe a operação (um command) e uma lista de operandos, todos na forma do flyweight. Afinal, daqui a uns cinco anos, alguém pode querer fazer uma subtração ou somar "1+1".

Claro que esse exemplo é extremista, mas a realidade não é muito distante. Já vi situações em que o programador previu a possibilidade de enviar um item para vários MDBs diferentes, cada um com seu filtro próprio, para dizer se deve ir ou não para aquele destino. Ótima idéia, mas a aplicação ficou dois anos em produção até surgir a possibilidade do segundo MDB e, quando surgiu, esse pattern foi a primeira coisa ejetada da aplicação, pois o filtro iria para outra aplicação.

Pergunto: adiantou levar todo esse tempo para elaborar esse arcabouço?

Comentários (0) Trackbacks (0)

Sem comentários


Leave a comment

(required)


*

Sem trackbacks